Como funciona o seguro para celular

Você precisa fazer um seguro para celular? Então confira as regras e veja qual é a melhor opção para proteger seu aparelho

A posse de celulares é um fenômeno que já cresceu muito e que tende a crescer muito mais: como várias tarefas passaram a ser condensadas no aparelho, as pessoas costumam abandonar outras formas de tecnologia (como o computador) e ficar apenas com o dispositivo móvel.

Com a evolução desses aparelhos, também surgem muito mais bandidos interessados neles e um seguro se torna uma proteção fundamental. Saiba já como é o seguro para celular e onde ele pode ser contratado.


Para que serve o seguro para celular?

As seguradoras (e, muitas vezes, a própria loja) oferecem apólices diferentes para cada necessidade: uma pessoa que trabalha em um ambiente aquático pode pedir a cobertura contra queda de líquidos, por exemplo.


Normalmente, na ocorrência de sinistro, a seguradora devolve o valor ao contratante para que ele compre outro aparelho. Também é possível que a empresa dê ao segurado um celular próximo ao que ele perdeu.

Assim como acontece com as outras coberturas de seguro, é necessário que o cliente esteja com as parcelas pagas para receber assistência.

Suponha-se que um segurado derruba o seu celular e precisa de reparo, mas está com duas parcelas do seguro atrasadas. Nesse caso, ele precisará quitar as duas antes de acionar o reembolso.

Como funciona o seguro para celular


Principais coberturas de seguro para celular

A maioria das seguradoras tem cinco opções de apólices:

  • Contra danos elétricos: inclui oscilações de energia e curtos circuitos. Pode ser acionada quando o aparelho queima devido a um raio, por exemplo;
  • Roubo: ele pode ter acontecido em qualquer situação, desde que o cidadão seja ameaçado. É uma das coberturas que as pessoas mais contratam, já que os celulares são levados em quase todos os assaltos. Para pedir o reembolso, o seguro precisará ter o Boletim de Ocorrência;
  • Danos físicos: inclui as possíveis avarias causados por raios, por quedas e muito mais. O celular que é danificado porque estava dentro de uma bolsa e foi impactado por algo também é incluído;
  • Danos por líquidos: muitas pessoas acabam por derramar o seu smartphone em uma piscina, no vaso sanitário, etc. Mesmo que não se trate de água, dá para acionar o sinistro: um exemplo é quando refrigerante ou outros itens químicos caem no aparelho;
  • Furto qualificado: nesse tipo de crime, o indivíduo não é ameaçado e o bandido leva o smartphone “escondido”. Mesmo sem a existência de ameaça, é obrigatório ter o boletim de ocorrência.

O seguro para celular é obrigatório?

Não, nenhum consumidor pode ser obrigado a adquirir um seguro para dispositivo móvel. Existem algumas lojas que oferecem ao consumidor a opção de comprar um seguro em conjunto com as parcelas ou adicionado ao custo total do aparelho.

Entretanto, é proibido que se cobre automaticamente o seguro: todo consumidor precisa ter a possibilidade de escolher a contratação ou negá-la.

Se a pessoa comprou o aparelho há mais tempo, não quis a cobertura naquela época e passa a querê-la depois, é só procurar uma corretora de seguros e pedir a proteção para celulares.

Como funciona o seguro para celular


Operadoras também oferecem cobertura de seguro para celular

Além das seguradoras comuns, dá para os proprietários de celular solicitarem a cobertura de seguros às próprias operadoras.

Como dito acima, não é preciso escolher a apólice na hora da compra do aparelho: dá para solicitá-la depois, nas suas lojas ou no site.

  • Claro: muitas vezes, a cobertura é feita em associação com seguradoras maiores e existe plano apenas para quem compra iPhones com os planos da Claro. Além as coberturas que foram listadas anteriormente, dá até para comprar um aparelho novo com muito mais facilidades a cada ano. O valor da apólice costuma ser de R$ 60,00, aproximadamente, e incluído na conta, representando 25% do custo do smartphone;
  • Oi: os seus clientes podem pedir um seguro para vários tipos de ocorrência ou uma cobertura exclusiva para roubo. Provavelmente, o seguro oferecido por essa operadora é um dos mais baratos: vai a até R$ 19,90;
  • Vivo: as mensalidades desse seguro podem ir a até R$ 55,00 e as proteções variam bastante, podendo ser estendidas a outros aparelhos eletrônicos, tais como os tabletes;
  • TIM: há uma apólice de seguro ideal para quem quer proteger os seus arquivos. Com ela, qualquer pessoa que roube o dispositivo não conseguirá abrir arquivos, sejam eles de fotos ou de documentos. O valor mais alto de seguro da TIM é de R$ 29,90 mensais;
  • Bem Mais Seguro: esse não é um seguro oferecido por operadora, mas é uma cobertura relativamente conhecida, com a vantagem de que a apólice pode ser contratada pelo site;
  • Porto Seguro: essa é uma seguradora que os consumidores procuram para proteger vários dos seus bens, inclusive o smartphone. Entretanto, só dá para contratar uma apólice da Porto Seguro se o celular custar R$ 500,00 ou mais, usando a nota fiscal da loja como comprovante do valor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *